quarta-feira, 20 de junho de 2012

COMO ADOTAR OS OBREIROS


É muito simples fazer parte, veja: 
  • 1) Baixe aqui neste link a FICHA DE ADOÇÃO. Imprima, preencha, assine e nos envie para o meu email:  jamiersonsp@gmail.com 
  • 2) Após recebermos o cadastro, fazemos a pesquisa dentro dos critérios especificados no formulário preenchido.
  • 3) Selecionado o obreiro com o perfil solicitado, colocaremos você diretamente em contato co mo obreiro escolhido ou o seu intermediário, para que se conheçam e combinem os depósitos mensais e para que possam manter um relacionamento de informações.
E a partir dessa aliança ficamos intercedendo pela igreja tutora e pelo obreiro adotado, para que o Senhor atenda à necessidade da parceria e derrame sobre ambos suas preciosas bênçãos.

Cremos que o Espírito Santo, que é o Promotor de missões, nos conduzirá dentro da sua vontade até aquele dia visto por João e registrado em Apocalipse 7.9!

A ELE TODA A GLÓRIA, ENTRE TODOS OS POVOS DA TERRA!

Jamierson Oliveira
Mobilizador
jamiersonsp@gmail.com

OBS: leia nos outros posts mais detalhes sobre o Projeto "Frutos da Terra".

O QUE GANHA O PROJETO


Absolutamente nada. Fazemos a ponte entre o obreiro nativo e a igreja adotante, e daí para frente todo relacionamento fica entre a IGREJA e AGÊNCIA responsável pelo obreiro.

Desfrutamos da confiança e recomendação das principais agências missionárias brasileiras e diversas lideranças, tais como: AMTB – Associação Missionária Transcultural Brasileira, Missão Horizontes, Missão Antioquia, Missão AMIDE, Senami, entre outras organizações de grande credibilidade.

O Projeto “FRUTOS DA TERRA” manterá a transparência de todas as suas ações e projetos por meio do seu site (www.frutosdaterrabrasil.blogspot.com.br) e está disponível para qualquer esclarecimento por e-mail: jamiersonsp@gmail.com


OBS: leia nos outros posts mais detalhes sobre o Projeto "Frutos da Terra".

COMO A AJUDA CHEGA AO OBREIRO


A ponte é o missionário estrangeiro (brasileiro) ou a agência missionária que indicou o obreiro nativo auxiliar para adoção no Projeto “Frutos da Terra”. O valor da adoção é depositado pela igreja tutora diretamente na conta corrente da agência, a mesma que é utilizada pela sua igreja/agência enviadora, e assim é sacado e repassado integralmente ao obreiro nacional.

É importante destacar, que ao longo de todo período contratado, haverá uma prestação regular de conta para a igreja tutora, com o envio de cartas, e-mails, fotos, etc. Inclusive, a igreja tutora poderá programar uma visita ao campo e conhecer melhor o trabalho. 

PS: haverá uma dedução de 10% do valor da adoção para custos administrativos, tais como taxas cambiais, telefonemas, etc.

OBS: leia nos outros posts mais detalhes sobre o Projeto "Frutos da Terra".

QUANTO CUSTA A ADOÇÃO?

Em geral, são três as categorias de adoção que praticamos:

1°) Sustento mensal de R$ 170,00 para obreiros solteiros 
2°) Sustento mensal de R$ 270,00 para obreiros casados sem filhos
3°) Sustento mensal de R$ 400,00 para obreiros casados com família

OBS: Aceitamos adoções de 50% dos valores integrais acima. Sendo assim, mesmo crentes individualmente podem assumir o compromisso de sustento.

Esses valores, só são possíveis apenas no contexto do interior africano, de tribos indígenas e de outros lugares do mundo, como interior da China e Índia. Trabalhamos nestas realidades sociais extremamente carentes e sem a presença do Evangelho. 

Nestes lugares, só como exemplo, custear um obreiro nativo solteiro equivale a apenas 10% ou 20% do custo de um estrangeiro solteiro no mesmo país. Essa diferença se explica por uma questão natural e lógica, ou seja, um estrangeiro não consegue viver exatamente nas condições do nacional indígena, africano ou asiático. Esses nativos vivem com poucas roupas, moradia coletivas, não utilizam transporte, não frequentam escolas, etc. Vivem precariamente na realidade do seu povo e da sua cultura local.

Nesta realidade, os valores da adoção acima dará condições desses missionários nativos viverem integralmente para a obra de Deus, sem que seja necessário plantarem, cuidarem de rebanhos, nem correrem para as cidades e trabalharem como ambulantes. Desta forma, podem auxiliar o missionário estrangeiro na evangelizando e cuidado da igreja local, 

Vale destacar que um obreiro sertanejo no Brasil com família, naturalmente o valor é maior. Nesse caso, a adoção nos valores acima será apenas parte do sustento, sendo necessário compor o valor integral com outros "sócios" ministeriais. 

PS: Haverá uma dedução de 10% do valor da adoção para custos administrativos, tais como taxas cambiais, telefonemas, etc.


OBS: leia nos outros posts mais detalhes sobre o Projeto "Frutos da Terra".

COMO SELECIONAMOS OS CANDIDATOS


Os candidatos à adoção são selecionados junto aos missionários e agências brasileiras espalhados pelo mundo. Pedimos-lhes que indiquem obreiros auxiliares, de total confiança e potencial, em quem valha a pena investir financeiramente e mantê-los integrais na obra.

Esse sustento é definido por períodos semestrais, podendo ou não ser renovados, dependendo do comportamento e da dedicação do obreiro adotado. Esse método nos dá o controle do processo e incentiva o obreiro adotado a zelar pela parceria, sendo dedicado e fiel. 

OBS: Por enquanto estamos incluindo no programa apenas obreiros nativos em países pobres e prioritários. Num segundo momento, incluiremos missionários estrangeiros para complemento de renda.

Destacamos que só aceitamos no programa de adoção, obreiros nativos indicados por missionários idôneos e de boa referência. Evitando assim os aventureiros! 

OBS: leia nos outros posts mais detalhes sobre o Projeto "Frutos da Terra".

VANTAGENS DO MISSIONÁRIO AUTÓCTONE


O Projeto “Frutos da Terra” aponta um caminho viável, com inúmeras vantagens para o avanço de missões, sem desconsiderar a necessidade de enviar brasileiros para o mundo. Até porque esta estratégia só faz sentido onde um missionário estrangeiro desbravou, evangelizou, plantou igreja e agora precisa deixar que os próprios obreiros nacionais ampliem a visão. Conheça alguns pontos importantes:

  • Adaptação cultural
Se o obreiro for nativo, não será necessário gastar tempo com preparação, treinamento, nem mesmo com o aprendizado do idioma. Mesmo que o alvo seja uma aldeia/tribo vizinha, salvo algumas exceções, o nativo levará uma grande vantagem, pois convive com seus irmãos, enquanto o estrangeiro, por mais abnegado que seja, jamais alcançará esse nível de identificação com a realidade local.

  • Honrar os obreiros locais
A comunidade local, testemunhando a integração de seus membros com o trabalho, passará a ter mais confiança na missão estrangeira e consequentemente receberá melhor o projeto de evangelização em curso.

  • Ajuda ao missionário estrangeiro
Uma das maiores dificuldade para quem está no campo é obter ajuda dos nacionais. Com essa adoção por igrejas tutoras, o missionário terá o apoio necessário, avançará sobremaneira na evangelização e poderá dar mais atenção ao treinamento, à preparação teológica e ao pastoreio.

  • Despertamento da igreja tutora
Haverá a possibilidade de igrejas pequenas, e mesmo crentes individualmente, sustentarem missões, pois poderão se corresponder com o obreiro adotado, e até mesmo visitá-lo, monitorando assim o desenvolvimento do trabalho.

  • Menor custo financeiro e trabalho logístico
O envio e o sustento de um brasileiro para qualquer país do mundo é caro, complicado e desafia qualquer sonho de fazer missões. Então, a adoção de missionários autóctones pode ser a estratégia inicial para que as igrejas criem a cultura missionária adequada até o envio definitivo de seus próprios obreiros.


OBS: leia nos outros posts mais detalhes sobre o Projeto "Frutos da Terra".

OS PAÍSES POBRES E NÃO ALCANÇADOS


Para as jovens, pequenas e frágeis igrejas dessas regiões (África, Ásia, América Central, tribos indígenas brasileiras e sertão brasileiro, etc.), é um desafio sustentarem seus pastores e praticamente impossível enviarem obreiros para servir em outras localidades.

Esta dificuldade atrasa ainda mais o avanço do evangelho nesses locais, pois esses obreiros sem sustento precisam trabalhar secularmente (plantação, criação de rebanhos, nas cidades, etc.), e o missionário estrangeiro que ali está não pode contar com o apoio de tempo integral deles, ficando sem auxiliares.

O Projeto “Frutos da Terra” localiza igrejas tutoras, que adotam esse obreiro integral ou parcialmente, dando-lhe sustento financeiro e condições de ele viver integralmente na obra, apoiando o missionário estrangeiro e sob supervisão deste. 

Agora imagine você como missionário numa tribo e podendo contar com a ajuda de nativos, obreiros de tempo integral! Com certeza este é o sonho de todo pastor no campo, ter ajuda para que a obra cresça e com a cara do próprio povo.


OBS: leia nos outros posts mais detalhes sobre o Projeto "Frutos da Terra".

UM PROJETO OUSADO E INOVADOR


Atualmente, a Igreja de Cristo na Terra, formada pelos justos de todas as nações, conta com uma força missionária calculada em apenas 400 mil obreiros, incluindo missionários de todos os níveis, transculturais e nacionais.

Mas para atender às necessidades e  avançar consideravelmente na evangelização do mundo, esse contingente precisa ser no mínimo triplicado, principalmente no contexto transcultural, junto aos povos não alcançados, que somam quase 2 mil sem nenhum convertido.

A pergunta é: como multiplicar a presença missionária em todas as nações com carência da pregação do evangelho de Cristo? Uma das soluções é investir no que chamamos de missionário autóctone.

Esse termo significa “da terra, nativo”; em outras palavras, um “fruto da terra”. Dessa forma, o missionário autóctone é aquele obreiro vocacionado, que auxilia um missionário estrangeiro e que é designado para servir sua própria gente, seu próprio país, alcançando o seu próprio povo e outros povos vizinhos dentro do mesmo território, como ocorre no continente africano, onde tribos e etnias coexistem em uma mesma região geográfica.  

VALE DESTACAR que um projeto como este que aproveita o potencial de um nativo para a expansão do reino de Deus, não suprime a necessidade de se enviar missionários estrangeiros, até porque é o estrangeiro que plantará a igreja, treinará o nacional e supervisionará o estabelecimento da obra local, no bom e ainda atual modelo paulino. 


OBS: leia nos outros posts mais detalhes sobre o Projeto "Frutos da Terra".